quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Do que cala e (con)sente

Do que cala.
Do que silencia a ansiedade, os medos, dúvidas e incertezas.
Daquilo que consente.
Das pessoas que te entendem.
Que decifram teus silêncios
e silenciosamente te fazem superar qualquer medo.
Pessoas que te calam.
Com o olhar.
O toque.
O cheiro.

Dos encontros de almas.
De tudo o que se sente,
e por sentir não mente.
É latente.
É feito flor brotando,
feito chuva caindo,
feito criança nascendo,
invade o mundo.

É tudo o que vem sem ressalvas.
Tudo que não passa sem deixar marcas.
Tudo que é inteiro,
intenso.
E não para.




4 comentários:

  1. "É tudo o que vem sem ressalvas.
    Tudo que não passa sem deixar marcas.
    Tudo que é inteiro,
    intenso.
    E não para."

    Amei o texto todo, mas essa última parte com certeza é minha favorita. É, pois traduz o amor da forma mais simples e completa!

    Bjao, Flora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vixe que elogio mais lindo! Muito obrigada, querido.

      Excluir